Vida e respiração

7-meditacao

Umas das técnicas que mais uso e indico antes e depois de longas viagens são alguns respiratórios baseados no Yoga.

Ao respirar corretamente você energiza e vitaliza seu corpo, suas celulas e corrente sangüínea pois está mandando mais oxigênio para cada um deles.

Imagine deixar de usar apenas 10% da capacidade respiratória que é o que usamos em média,  com a respiração inconsciente e começar a usar 100% como ensina no exercício.

O impacto é gigante em toda uma vida. O mais interessante é que pode ser feita em qualquer lugar, até dentro do avião ou carro em suas viagens.

Eu fui professora de Yoga por 8 anos e até hoje utilizo muitas técnicas que me ajudam ao ganho de vitalidade e a principal delas é a respiração e meditação.

A Juliane Dias, que da aulas em São Paulo e se formou comigo escreveu um artigo muito prático para você aprender a aplicar em suas viagens.

Leia a seguir:

A primeira técnica que ensino ao aluno quando ele trava o seu primeiro contato com o Yôga é justamente a respiração. É ela a base para uma prática bem aproveitada e bem executada. A reeducação respiratória que propomos na aula de Yôga tem a intenção, além de oxigenar mais o corpo do praticante, de fazer com que ele tome consciência do que acontece com todo o seu corpo através de cada estímulo gerado ao longo da prática, de energizar e vitalizar ainda mais o seu organismo e, de acordo com a técnica sugerida, que ele tenha controle para estimular seu corpo ou estabilizar as suas emoções e aumentar o seu nível de concentração. É por isso que, no Yôga, praticamente todos os exercícios respiratórios exigem que o aluno respire exclusivamente pelas narinas: para maximizar e energia que ele capta através da respiração e assimilá-la da melhor maneira possível.

Então vamos lá!! Se você ainda não travou contato com Yôga e, portanto, não teve a oportunidade de reeducar a sua respiração, esta é a hora!

1- Sente-se com as pernas cruzadas e apoie as mãos sobre os joelhos ou, sentir mais confortável, deite-se com as costas no solo e flexione os joelhos apoiando as plantas dos pés no chão.

2- Depois feche os olhos, leve a atenção para a respiração e vá sentindo o fluxo de ar que entra e que sai das suas narinas. Lembre-se: sempre pelas narinas.

3- Aos poucos, passe a utilizar o abdômen para respirar de forma que, toda vez que inspirar possa projetar o abdômen para fora e ao exalar, possa contraí-lo (Ar pra dentro, barriga pra fora. Ar pra fora, barriga pra dentro).

4- Invista alguns minutos da execução da respiração abdominal e depois apoie as mãos sobre as costelas e isole a respiração nesta região: intercostal. Agora, você vai inspirar projetando as costelas para os lados e exalar comprimindo esta região.

5- Feito isso, é a vez da respiração alta: você vai inspirar expandindo o peito e vai exalar, comprimindo.

Note que quanto mais alta for a respiração, mais curta e superficial ela se tornará.

6- Na sequência, irá unir estas três respirações (baixa, média e alta) em uma só inspiração e exalação. Você vai inspirar projetando o abdômen pra fora, na mesma inspiração e sem pausas vai projetando as costelas para os lados para, enfim, expandir o peito. Depois irá exalar de forma inversa: tirará o ar do peito, depois das costelas e por último do abdômen.

7- Pronto! Desta forma você estará executando a respiração completa e irá trabalhar com um volume de ar muuuuuuito maior do que estava acostumado a usar sem precisar fazer esforço e de uma forma extremamente confortável.

Lembre-se: este exercício precisa sempre ser confortável. A respiração completa já fará com que o seu corpo consiga captar mais oxigênio. Portanto, não faça aquele esforço danado tentando captar um volume extremamente grande de ar. Ao utilizar o abdômen na respiração, você já estará captando mais ar e de uma forma muito mais agradável.

Sobre a respiração do Yôga